quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

ONU X VATICANO X PEDOFILIA!


O Comitê da ONU sobre os Direitos da Infância da ONU pediu nesta quinta-feira à Igreja Católica que atue com maior resolução contra os abusos sexuais de menores, um enorme escândalo que a Santa Sé é acusada de ter tentado abafar.
A investigadora fez seus comentários em uma audiência na qual, pela primeira vez, uma delegação do Vaticano prestou explicações aos especialistas do Comitê para os Direitos da Infância sobre os abusos cometidos por religiosos católicos contra menores.
Oviedo denunciou que na gestão dos escândalos de pedofilia por parte da Igreja "se deu preferência aos interesses do clero".
"A Santa sé não estabeleceu nenhum mecanismo para investigar os acusados de realizar abusos sexuais, nem tampouco para processá-los", acrescentou.
Também criticou as medidas tomadas pelo Vaticano com os autores de abusos sexuais contra crianças. Segundo ela, "as punições aplicadas nunca parecem refletir a gravidade" dos fatos.
"Sabemos que ocorreram avanços", reconheceu, perguntando-se, no entanto, se as crianças "têm a possibilidade de serem ouvidas, sobretudo quando se trata de vítimas".
A ONU também pediu à delegação vaticana mais informações sobre os membros e os objetivos da comissão criada pela Santa Sé em dezembro para a proteção dos menores.
Por mais de uma década, a Igreja Católica se viu atingida por uma série de escândalos de abusos sexuais cometidos por religiosos contra menores, que começou na Irlanda e se estendeu para Alemanha, Estados Unidos e vários países latino-americanos, como México.
Os abusos foram frequentemente acobertados pelos superiores dos autores, que em muitos casos os transferiram a outras paróquias, em vez de denunciá-los à polícia.
 Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/renuncia-do-papa/onu-cobra-acoes-do-vaticano-para-combater-a-pedofilia-na-igreja,f5e65bfb2ec83410VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html

domingo, 12 de janeiro de 2014

A CRISE DO SISTEMA PENITENCIÁRIO É DO BRASIL E NÃO APENAS DO MARANHÃO!








      Nos últimos anos percebemos constantemente o sistema penitenciário brasileiro indo à falência, falo isso em um aspecto generalizado. Estamos percebendo nos últimos dias várias notícias sobre o Maranhão, onde se vê os presídios sem as mínimas condições de uma pessoa sobreviver e muito menos se “recuperar” alguém, caso seja essa a ideia de um presídio.
      O que acontece no Maranhão é o acontece no Brasil inteiro. Digam-me um estado em que os presídios não se encontram lotados? O que se observa, nas penitenciárias brasileiras, de forma quase absoluta, são violações aos direitos humanos, ao direito penal e à própria Constituição Federal. Entre estes direitos vale menção especial os direitos ao trabalho, à higiene, à saúde e à educação.  
      Pra se ter uma ideia, de acordo com dados da Secretaria de Justiça e administração penitenciária o complexo de Complexo de Pedrinhas, que tem oito unidades prisionais, conta atualmente com 2.196 detentos.  A capacidade do Complexo, no entanto, é de 1.770 vagas. Em todo o estado há 27 unidades prisionais. A quantidade de vagas no sistema penitenciário do Maranhão é de 3.421. A população carcerária, no entanto, é de 4.663 pessoas, entre presos provisórios e de justiça.
      O que acontece é que a população cresce, e com ela vem à violência, porém o governo não investe na segurança pública nem em penitenciárias. O governo  esqueceu  que existe uma população carcerária muito elevada. Essa população saltou de pouco mais de 148 mil presos para 361.402, o que representou um crescimento de 143,91% em uma década. E o investimento... “ó”? quase nada...

Pesquisas: http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12093 
 http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2014/01/ministro-anuncia-plano-emergencial-para-conter-crise-em-presidios-do-ma.html