sexta-feira, 12 de abril de 2013

EDUCAÇÃO DE "FAZ DE CONTA"

Escolas públicas do ensino médio fazendo rodízio entre os alunos, porque não há professores para todas as disciplinas. Simplesmente, ninguém quer dar aulas e nem pode querer, se estiver em seu juízo perfeito. No Brasil, descontada a piada, a educação é um sacerdócio porque fazemos voto de pobreza. Além disso, avaliadores do ENEM são capazes de atribuir nota 560 a uma receita de miojo colocada em uma redação. O que isso quer dizer? Quer dizer que a educação é um faz de conta; no Brasil seremos o que já somos, andando aos trancos e barrancos, enquanto a educação for tratada com cinismo e burrice. Burrice porque nem o governo, nem as elites dominantes conseguem ver a lógica ululante: sem educação não há qualificação técnica e científica e isso, no século XXI, é sinônimo de exclusão do mundo que realmente importa.
O antropólogo e senador Darcy Ribeiro dizia que aqui os professores fingem que ensinam e os alunos fingem que aprendem. Só faltou matá-lo por isso, como se tivesse ofendido a santidade de nossas avós.
Mas não é a mais pura verdade? Quais são os resultados positivos que temos para apresentar? Claro, há os totalmente analfabetos que já foram promovidos à honrosa posição de analfabetos funcionais e muitos serão advogados, médicos, engenheiros – e outros tantos serão formados nas universidades públicas. Alunos que jogam baralho no horário de aula, na UNIR e em outras federais, indicam o que? Que Darcy Ribeiro estava errado? Nosso futuro depende do sucesso desses profissionais que fizemos de conta para ensinar e educar.
fonte: portal VB

Nenhum comentário:

Postar um comentário